Ser mulher, principalmente nos dias de hoje, embora muita coisa tenha melhorado, não é uma missão nada fácil. Estamos sempre passando por jornadas cansativas e sendo julgadas, independente de nossos feitos.

 

Não bastasse isso, eu tenho observado que muitas mulheres ainda têm uma visão muito equivocada sobre o que é ser produtiva ou empoderada e nessa busca quase desenfreada para atender com maestria e excelência a todos os papéis da mulher moderna e também ser produtiva ou empoderada, as mulheres acabam se perdendo de si mesmas e deixam de cuidar do mais importante. Elas deixam de cuidar do pilar essencial para qualquer mulher que pretenda ser empoderada e produtiva, realizada e realizadora. 

 

Há anos eu venho afirmando que não adianta empoderar uma mulher no campo financeiro e intelectual, se ela não for empoderada emocionalmente. Eu tenho certeza absoluta que você conhece pelo menos uma mulher linda, inteligente, independente financeiramente que viva relacionamentos abusivos ou que não tenha um pingo de autoestima. 

 

Por outro lado, muitas outras mulheres seguem buscando a produtividade como um meio de ganhar autoridade, de realizar os seus sonhos, de ter independência financeira ou se posicionar no mercado. Isso não deveria ser um problema, mas acaba se tornando na medida em que a ideia sobre o que é produtividade mostra-se completamente equivocada. Tem muita gente achando que produtividade significar trabalhar mais, fazer mais e, absolutamente, não tem nada a ver com isso.

 

Mas, por incrível que pareça, a solução para ambas as questões passa pela descoberta e aplicação desse segredo: o autocuidado!  O autocuidado, como você vai ver nas próximas linhas, é o segredo da mulher empoderada e produtiva. 

 

A busca pela realização 

Como eu mencionei muitas pessoas têm a ideia equivocada de que alcançar o patamar de realização dos sonhos e objetivos que buscam precisam trabalhar muito mais, assumir mais responsabilidades, fazer mais coisas, ter mais clientes ou gastar mais tempo no trabalho. É aqui temos o primeiro equívoco sobre a produtividade: ela não está ligada, apenas, ao “mais”.

É claro que o resultado da produtividade vai trazer um “mais”, entretanto, para que você consiga seguir esse caminho, você não precisa (e não deve) se sobrecarregar ainda mais e nesse sentido eu venho falando sobre a conexão da gestão tempo/produtividade com a autoestima. É um fato, enquanto você não valorizar a si mesma, não será capaz de dar valor ao “seu” tempo. É difícil de encarar, mas o tamanho do seu amor próprio é que determina a sua capacidade de fazer gestão do tempo e ser produtiva. 

Pra você ter uma ideia, numa breve pesquisa que eu mesma fiz no meu instagram, 79% das mulheres que responderam disseram que já tiveram depressão, crises de ansiedade/estresse ou síndrome de pânico e o mais espantoso: 70% delas disseram conhecer alguma outra mulher que passou exatamente pela mesma coisa. É preocupante ver as estatísticas sobre o estado de saúde mental e emocional das mulheres mundo afora e a maioria delas adoece justamente porque não consegue impor limites e nesse contexto não conseguir criar espaço para o cuidado consigo mesma.

Motivada pela busca na realização dos sonhos e no entendimento equivocado do que é produtividade, a mulher moderna vive a mentalidade de que o “mais” sempre vai ser a melhor escolha para que seja produtiva, logo o seu “mindset” vai se adaptar a essa ideia e o resultado é esse que já vemos aí no dia-a-dia: é praticamente impossível conseguir um tempo para olhar para si mesma, para cuidar da sua saúde mental, física e emocional. Esse é motivo para  grande parte das mulheres que justificam não ter tempo para o autocuidado.

 

Quando uma mulher se vê doente, esgotada, estressada e sobrecarregada, obrigatoriamente, ela não será produtiva, consequentemente, a realização dos sonhos também fica mais distante e o seu poder pessoal escorre pelas mãos. Não sobrando tempo para si mesma, no futuro, a insatisfação com o “eu” será dificilmente revertida, causando possíveis problemas de autoestima e autoimagem ou ainda outros graves problemas psicológicos.

A solução para isso é promover a reconexão consigo mesma, com seu poder pessoal. A qualidade de vida, a realização dos sonhos que a mulher moderna busca necessariamente exige passar por esse caminho.

É exatamente por isso que precisamos investir na preservação do nosso eu e no autocuidado, fator que pode ser o pilar essencial de uma mulher produtiva, empoderada, realizada e realizadora, afinal, é possível conciliar as metas, as áreas da nossa vida, os nossos muitos papéis.

 

A reconexão consigo mesma

Para quem deseja se sentir melhor ou conseguir seguir pelo caminho do empoderamento pessoal  e da produtividade, não existe trilha melhor do que viabilizar uma reconexão consigo mesma, procurando não se julgar tanto e tentando compreender as próprias limitações.

Uma mulher que já é empoderada e produtiva sabe que o seu próprio bem-estar, amor próprio e saúde são indispensáveis para qualquer coisa que queira fazer na vida, seja para o exercício da vida profissional, seja, inclusive, para cuidar das pessoas que ama.

 

Uma mulher desconectada de si mesma, da sua natureza, sem espaço e tempo para cuidar de si mesma acaba se cansando muito e rápido. E quando ela está nesse estado, ela fica cheia de dúvidas sobre si mesma, se está agindo corretamente, se está pensando certo. 

 

Surge o  autocuidado é um dos primeiros passos que você pode dar para restabelecer essa conexão. Aqueles que praticam essa técnica acabam, por consequência, adquirindo maior potencial cognitivo, foco e concentração, sendo esses fatos comprovados pelo diagnóstico do Dr. Rushell, um psicólogo clínico especialista em produtividade.

Ao reavaliarmos a nossa vida é possível dizer que nós mulheres, especialmente as que foram mães, fomos alimentadas com a ideia equivocada de que uma matriarca se realiza, automaticamente por ter um filho. Com isso, a mentalidade é a de que, ao dar à luz a um novo ser humano, todo o resto não importa mais.

Além disso, quando uma mulher se sente sufocada ou necessita de um espaço para si mesma, ela será julgada e condenada por desejar ter maior liberdade de ideias e de ações, sendo, por vezes, taxada como egoísta ou presunçosa. É preciso quebrar o pensamento de que uma mulher só poderá se sentir realizada no âmbito familiar e com a chegada de um filho.

Quando você pratica o autocuidado e, enfim, se dá a liberdade de olhar para si mesma, isso pode ser considerado a maior prova de amor que poderá entregar à sua existência. A partir daí, a qualidade da sua presença dependerá, essencialmente, da sua própria capacidade de nutrir esse espaço e amor por você mesma.

 

O que é autocuidado?

O autocuidado é o principal pilar da mulher empoderada e produtiva, pois é ele quem nos permite um olhar para dentro de maneira analítica e, ao mesmo tempo, carinhosa, fazendo com que nos entendamos e não antecipemos nenhuma ação que nos prejudique no futuro.

O autocuidado pode ser entendido como uma ação deliberada, ou seja, é aquela em que eu exerço um poder de escolha, uma determinação ou decisão. Ele poderá ser usado em prol da sua própria saúde mental, física, emocional e espiritual.

Quando falamos acerca desse assunto temos o cuidado em olhar para dentro de nós mesmas, visto que acabamos por nos deixar de lado durante a correria do dia a dia, como já foi falado no tópico anterior. Além disso, muitas pessoas têm uma visão equivocada do que é autocuidado, imaginando que um banho de banheira ou uma saída para jantar em um restaurante caro possam resumir esse conceito.

No fim das contas, o autocuidado nada mais é do que uma ação que você fará em prol de sua própria saúde, visando melhorias em todos os campos de sua vida para que, em um futuro, você possa colher os frutos que plantou ainda nessa época tão nublada. É uma postura que você adota com relação a como você se vê e se apresenta no mundo.

Ao se colocar em uma situação de estresse, trabalhando muito e tentando conseguir o maior número de clientes possível, a mulher acaba por deixar de lado a autopreservação e passa longe da produtividade, visto que, no máximo, está causando danos a si mesma.

 

Os benefícios do autocuidado

Sabendo que o autocuidado tem como principal propósito fazer com que a mulher olhe para si mesma com mais atenção e carinho, nós também precisamos falar sobre quais são os benefícios de seguir por esse caminho.

A autopreservação da imagem e da saúde mental não deve ser considerada importante apenas para as mulheres, mas sim para todos aqueles que precisam ter um instante de reflexão ou que estão passando por um momento difícil.

Mas, quando falamos em autocuidado, podemos dar destaque ao sexo feminino devido ao modo como elas estão sobrecarregadas com tantas tarefas. Cobranças que a sociedade demarca, a expectativa de que ela cumpra com todos os seus “deveres” sociais, conjugais,  profissionais, financeiros, familiares, com os filhos e ainda esteja linda, magra, no salto, barriga chapada cabelo pintado … Tudo isso se transforma em uma grande bola de neve de estresse e de consequências irreversíveis na autoestima.

Quando uma mulher decide que vai cuidar de si mesma ela entra num espaço de culpa, cai em uma sensação de egoísmo. No fundo, se levarmos em consideração todo o contexto, essa é apenas uma resposta inadequada de nosso subconsciente que ainda não está preparado para se amar.

O autocuidado traz inúmeros benefícios, principalmente porque, quem o pratica, tende a ser mais produtivo. Além disso, ao reabastecer suas reservas, você poderá manter os pensamentos positivos (elementos importantes no crescimento emocional), ampliar a relação de carinho que você tem consigo mesma, adquirir confiança nos próprios atos e, principalmente, a autoconfiança que, diante das imposições, acaba por ficar abalada.

Ao final de tudo, podemos resumir esse artigo da seguinte forma: “é a volta periódica a esse estado de conexão consigo mesma que reabastece as reservas mentais-emocionais e físicas mulher empoderada e produtiva para seus projetos, sua família, seus relacionamentos e sua vida criativa no mundo objetivo (pessoal e profissional). 

 

É o tempo que ela dedica ao autocuidado, à (re)conexão consigo mesma que a torna a essa mulher produtiva, realizada e realizadora, com qualidade de vida e resultados nas áreas que mais importam para ela. 

 

E agora, para aumentar a nossa corrente do bem, eu quero te pedir uma coisa: se esse artigo fez diferença pra você, compartilhe com ao menos uma mulher especial na sua vida, alguém que você gostaria que pudesse ter mais qualidade de vida e felicidade.  Nós somos mais fortes e vamos mais longe quando vamos juntas!

 

Até o próximo artigo!

 

Com carinho, 

Kelly Coimbra

Deixe seu comentário.

Comentar