Você já não aguenta mais trabalhar muito e sentir que não está produzindo, ficar estressada quase que diariamente, sentir que os resultados estão longe do que você gostaria de obter, que a vida está sendo bem menos do que você imaginou ou julga merecer; você já não aguenta mais não ter tempo suficiente para cuidar de si mesma, para a vida pessoal, para a família ou os amigos.

Então você decide que precisa trabalhar de forma mais produtiva, gerenciar melhor seu tempo e ter mais qualidade de vida. Para isso começa buscar alternativas de melhorar o que não está funcionando bem. Encontra vários artigos na internet, alguns vídeos interessantes, pode ter feito algum curso sobre administração do tempo ou sobre como melhorar a memória, otimizar o aprendizado. E nisso você se depara com o “monstro” das metas, todo mundo falando que tem que definir metas, que se não definir metas não vai ter objetivos realizados.  Mas, como é que eu faço para definir metas se eu nem sei ao certo do que se trata?

Se você se identificou com o exemplo acima, esse texto é para você! Além de falar sobre o que são metas e como podem ser utilizadas no nosso cotidiano, ao final dele eu vou lhe mostrar o guia absolutamente completo sobre como estabelecer metas neurologicamente corretas (e esse é um dos principais segredos de metas de sucesso!).

 

Metas: que bicho é este?

Eu não sei quanto a você, mas quando concluí minha graduação em Direito, o fiz sem ter a oportunidade de estudar Administração ou coisa similar, de modo que não tive qualquer contato com a ideia de estabelecer metas. Particularmente considero isso um desperdício de potencial, porque claramente vemos no mundo atual o quanto trabalhar com metas se mostra proveitoso e efetivo tanto no plano profissional quanto pessoal.

O meu contato com a ideia de estabelecer metas de uma maneira mais consistente veio já depois de graduada, quando desempenhava uma função de Coordenação de mais de 50 pessoas em um importante órgão da Administração Pública Federal e fui então “convidada” pela minha gestora à época, hoje uma querida amiga, a desenvolver um planejamento estratégico para o setor. Dá pra imaginar que eu “grudei no teto”  só de ouvir “planejamento estratégico”, né?  Pois bem, esse foi meu primeiro contato com o tema e, apesar do grande desafio inicial que me fez buscar conteúdo, me fez estudar sobre isso, foi realmente possível traçar esse planejamento estratégico e um plano de ação com metas que serviram para nortear a atuação de toda uma equipe por determinado período de tempo.

Pois bem, estudando sobre o assunto eu percebi que metas e objetivos são coisas distintas, embora seja muito comum as pessoas se referirem a eles como uma coisa  única.  Objetivos tem um escopo, um alcance maior, são mais abrangentes e fornecem uma direção, é possível dizer que os objetivos são os nossos sonhos, o que nos faz avançar vida afora. Metas, por outro lado, são ações específicas e essenciais à realização dos objetivos, estão relacionadas a tempo e valor.

Quer ver exemplos de como essa diferenciação funciona na prática?

Exemplo 1:

Objetivo: Ser independente financeiramente

Meta: Ter uma renda passiva de R$ 50.000,00 até  15.05.2027

Exemplo 2:

Objetivo: Deixar de pagar aluguel

Meta: Adquirir um apartamento no valor máximo de R$ 350.000,00 até o dia  01.04.2020.

Exemplo 3:

Objetivo: Reduzir os custos do escritório

Meta: Promover a redução de 20% do custo em relação ao mesmo mês do ano anterior.

Exemplo 4:

Objetivo:  Emagrecer (e continuar magra)

Meta: Pesar 60 kg até o dia 30.06.2017

 

Como você pode notar, é possível estabelecer metas tanto para nossa vida profissional quanto pessoal e pessoas que possuem metas desafiadoras e as cumprem são mais produtivas, confiantes e realizadoras.

“Pessoas com metas triunfam porque sabem exatamente para onde vão.” Earl Nightingale

Um estudo feito por pesquisadores de Harvard entre 1979 e 1989 demonstrou o poder das metas escritas. Em 1979, perguntaram aos formandos do programa de MBA se eles tinham estabelecido metas claras, por escrito¸  para o seu futuro e se tinham feito planos para concretizá-las. Dentre os formandos daquele ano apenas 3% desses tinham metas definidas e escritas sobre o seu futuro e planos para realizá-las. Um número menor –  13%  -, tinha metas, mas não por escrito e, 84% não tinha uma meta específica.

Dez anos depois, em 1989, os pesquisadores entrevistaram novamente esses alunos e constaram que os 13% que tinham metas não escritas estavam ganhando, em média, o dobro dos 84% de estudantes que não tinha nenhuma meta. Porém, o mais surpreendente foi que os 3% de formandos que tinham metas definidas e por escrito não só estavam mais felizes  e realizados, como estavam ganhando em média dez vezes mais  que os outros 97% juntos! A única diferença entre os grupos era a clareza das metas que haviam estabelecido para si mesmo ao se formarem.

Existem várias outras pesquisas abordando a importância de estabelecer metas, porém, esta em especial, demonstra não só a importância, como também o poder de metas específicas e escritas  para aqueles que as definem.  Se você quiser ler mais sobre o assunto, recomendo a leitura do livro “Metas”, de Brian Tracy.

 

Metas neurologicamente corretas

 

Agora que você entendeu o poder de ter metas definidas de forma clara e por escrito e o quanto estabelecer metas é algo essencial para o alcance dos nossos objetivos, para a realização dos nossos sonhos, nós podemos avançar e falar sobre fazer isso da maneira certa.

A verdade é que pouco se fala sobre estabelecer metas neurologicamente corretas. Geralmente há uma “orientação generalizada” para a definição de metas, sem atentar ao fato que metas estabelecidas de forma correta, ou melhor, de forma neurologicamente correta, tem muito mais potencial de realização.

Um exemplo disso é o da pessoa que estabelece a meta  de “perder”  10 kg em 30 dias. Em primeiro lugar, emagrecer 10 kg de forma saudável em 30 dias é algo praticamente impossível, em segundo lugar, “perder” 10 kg não é uma meta neurologicamente correta porque o cérebro sempre vai entender que é preciso “perder 10kg”, ou seja, ainda que a pessoa emagreça, ela volta a engordar porque o cérebro tem o registro de que deve “perder 10kg”.

Uma meta neurologicamene correta no caso acima seria, se a pessoa pesa 70 kg por exemplo, estabelecer como meta pesar 60 kg dentro do prazo de 3 meses, sendo certo que especificar a data é ainda mais eficaz.

Para definição de objetivos e metas neurologicamente corretos, o primeiro passo é criar a visão positiva, a imagem do resultado já atingido. Ou seja, se o objetivo é pesar 60 kg, então se imagine, visualize seu corpo com esse peso, imagine que roupas poderia usar (ou voltar a usar), imagine as pessoas comentando sobre o seu novo corpo.

A visão positiva do objetivo realizado é essencial para o alcance do resultado. E essa visão deve ser orientada para o futuro e de forma positiva, é isso que mantém nosso foco e nossa energia para produção do resultado esperado.

No livro “O Jeito Harvard de Ser Feliz”, Shawn Achor menciona que um estudo realiado com 112 contadores juniores revelou que aqueles que acreditavam que seriam capazes de atingir seus objetivos foram os mesmos que, dez meses mais tarde, tiveram o desempenho de trabalho mais bem avaliado pelos chefes.

Sim, as nossas concepções mentais afetam nosso desempenho e por isso a importância de manter uma atitude mental positiva, e no caso das metas neurologicamente corretas,  uma visão positiva do futuro, a respeito dos objetivos que se pretende realizar na vida.

Ter uma visão positiva do futuro aliada a ações consistentes cria nossa realidade.  Sobre isso explica a ciência. A fisica quântica, a neurociência, a programação neurolinguística, dentre outras disciplinas, apontam para a importância de entendermos como a consciência cria a realidade. Para facilitar esse entendimento eu replico abaixo uma animação do youtube que explica essa máxima de que “a realidade é criada pelos olhos do observador”.

 

 

10 princípios para estabelecer metas neurologicamente – o Guia Absolutamente completo

As metas  referem-se às ações necessárias para alcançar o objetivo determinado. Depois de quebrar a cabeça para entender isso e ver como poderia ser aplicado na prática, eu cheguei ao que chamo de os “10 princípios para estabelecer metas neurologicamente corretas”.  Trata-se de um conteúdo poderoso, um guia absolutamente completo que cumpre o seu propósito e realmente potencializa o alcance dos resultados e eu vou compartillhar com você agora. J

Destes 10 princípios que vão servir como guia para definição de metas neurologicamente corretas,  os cinco primeiros referem-se ao que se denomina meta SMART, ferramenta emprestada da administração e utilizada na formulação do planejamento estratégico. A palavra smart na língua inglesa significa inteligente, espero, mas aqui, na meta SMART trata-se de um acrônimo com a abreviação de cinco critérios entendidos como indispensáveis na definição de uma meta. Então vamos começar por eles.

  1. Tem que ser estabelecida de forma específica e positiva (Specific). Diga o que você quer e não o que você quer evitar. Ex.:  Ao invés de dizer “quero perder 10 kg por semana”, diga “quero pesar 60 kg até o dia 10.06.2017”.
  1. Defina metas que sejam mensuráveis ao longo do  processo (Mensurable). É preciso ter como medir o seu progresso e como monitorar continuamente, para ter certeza que você está no caminho certo e no ritmo certo. Ex.: se você vai pesar 60 kg até 10.0462017, você pode fazer uma pesagem mensal para identificar se você está caminhando rumo à sua meta ou mesmo estabelecer uma data para voltar a usar aquela calça jeans que você não usa há 3 anos. Quantos mais evidências não subjetivas você definir, melhor será o monitoramento. 
  1. Metas desafiantes e alcançáveis (Attainable). Faça metas atingíveis, mas não muito fáceis e lembre-se que só você, Deus e o tempo poderão limitar a sua meta. Ou seja, não adianta querer eliminar 20 kg em 30 dias, tampouco dá pra colocar como meta eliminar 1kg por mês, porque ela não te desafia.
  1. Meta ecológica (Relevant). Sonhos não tem limites, mas metas tem! Avalie o custo das suas metas. Vale a pena realizar essa meta? Qual é o custo das suas metas? Você terá orgulho e felicidade ao realizar essa meta? Na avaliação do custo entram também o tempo, o conhecimento e outras coisas que você poderia estar fazendo se não executasse as metas para alcançar seus objetivos, a reflexão se a meta está alinhada com seu propósito de vida.
  1. Temporalidade (Temporal). As metas devem ser definidas com um limite temporal bem definido. Você deve dar a si mesmo uma data limite. Toda meta deve ter um prazo, se não tem não pode ser considerada meta. Estabeleça um certo prazo para atingir o que você quer. Exemplo: Quero pesar 60 kg até o dia 10.04.2017.

Esses foram os cinco princípios relativos à meta SMART, agora vamos continuar com os outros cinco princípios que também não podem ser deixados de lado na hora de estabelecer metas de forma neurologicamente corretas. São eles:

  1. Definir metas que estejam no seu controle, influenciadas diretamente por você. Você deve praticar a ação e não outra pessoa, a meta deve estar sob o seu controle direto ou indireto. Assim, quando planejar o que fazer, todos os planos devem começar com a frase “eu irei….” seguida pela ação que você vai fazer. Exemplo: para pesar 60kg até o dia 10.04.2017, eu irei caminhar 1h por dia durante 4x por semana, de segunda a quinta. A meta, no contexto profissional, pode ser desenvolvida por outra(s) pessoa(s) que esteja  sob sua supervisão. Nesse ponto é importante discutir a meta e seus desdobramentos com as pessoas que ficarão responsáveis por sua execução. Pela Teoria da Deteminação das Metas, Teoria de Locke, metas difíceis quando aceitas, resultam num melhor desempenho que metas fáceis, porém, aconselha que elas sejam definidas com a participação dos colaboradores. Se eles participam na definição das suas próprias metas apresentarão melhores resultados.
  1. Cheque seus recursos. Que recursos você tem para atingir sua meta? Recursos podem ser pessoas, coisas, modelos ou qualidades pessoais, dinheiro, conhecimento, habilidades, etc.  Exemplo: eu moro ao lado de um parque onde posso fazer caminhadas todos os dias.
  1. Monitore seu desempenho. Gerenciar, acompanhar o progresso do alcance da meta está dentre os fatores importantes à realização do objetivo. Você pode fazer isso estabelecendo indicadores ou datas em que fará a revisão das ações, tudo para certificar que está, de fato, caminhando em direção à realização da meta.  Isso também permitirá que você ajuste as velas do barco, caso perceba que está indo por um caminho diferente do que foi traçado e que não te levará ao destino escolhido.
  1. Fale sobre suas metas com alguém de confiança.  No livro “O Poder do Hábito”  após acompanhar várias pesquisas  Charles Duhig afirma “a evidência é clara: se você quer mudar um hábito, precisa encontrar uma rotina alternativa, e suas chances de sucesso aumentam drasticamente quando você se compromete a mudar como parte de um grupo.  A fé é essencial e cresce a partir de uma experiência comunitária, mesmo que esta comunidade possua apenas duas pessoas.” É  esse  o princípio que embasa o sucesso de grupos como Alcoólicos Anônimos (AA) e Vigilantes do Peso. Obviamente você não precisa ir tão longe, se não quiser, mas compartilhar suas metas com alguém da sua confiança será mais efetivo porque “parece real quando podemos ver isso nos olhos dos outros”.
  1. Plano de ação. O aprender está no fazer. O resultado vem com o fazer! Então é neste momento que você divide as metas em ações, para realizá-las e acompanhá-las ao longo do tempo.

Esse último princípio é, sem dúvida, um dos mais importantes. O que realmente fará com que alcancemos os resultados que buscamos, que realizemos os nossos sonhos, é a ação! Não adianta saber para onde quer ir se você não se colocar caminhando em direção a esse destino.

Nesse sentido, o plano de ação é essencial, porque vai te ajudar a organizar as ações que você precisa adotar consistentemente para realizar os seus objetivos.  Para execução das ações, nós podemos usar uma ferramenta também do planejamento estratégico, uma ferramenta convencional usada por muitas pessoas e empresas ao redor do mundo inteiro que é o plano de ação 5W2H.

Eu soube sobre a utilização dessa ferramenta há muitos anos atrás, porém, somente quanto eu fiz um curso de Gestão Estratégica para Escritórios de Advocacia ministrado pelo Fernando Santiago, criador do Webjurídicoem parceria com a OAB/DF é que pude entender e aplicar, de uma vez por todas, essa ferramenta na minha vida pessoa e profissional. No coaching integral sistêmico também fazemos uso dessa ferramenta tanto para os nossos próprios objetivos, como também para trabalhar com os objetivos dos nossos clientes, de modo que hoje em dia é praticamente impossível não utilizá-la.

O Plano de Ação 5w2h é uma ferramenta simples em que você, basicamente, deve responder às perguntas abaixo:

  1. 1.O que fazer (What)?
  2. .Por que fazer (Why)?
  3. Onde fazer (Where)?
  4. Quando fazer (When)?
  5. Quem vai fazer (Who)?
  6. Como fazer (How)?
  7. Quanto custará (How much)?

No site da Endeavor, uma organização de apoio a empreendedores de alto impacto, você pode baixar uma ferramenta gratuita e muito interessante para auxiliar a estabelecer metas e desenvolver o plano de ação 5, vale a pena conhecer.

Bem, está aí revelado em primeira mão para você o meu guia absolutamente completo de como estabelecer metas neurologicamente corretas. Eu espero que te ajude como tem ajudado a mim e às minhas clientes de coach na realização dos sonhos mais desejados.

Se você ainda tiver dúvidas a respeito do assunto, não hesite em entrar em contato comigo e, se você acha que esse conteúdo pode ajudar a alguém que você conheça então clica no botão compartilhar ou marque nos comentários os nomes delas. Seguimos juntas contruindo um mundo melhor, começando pelo nosso próprio universo! J

Sem sonhos, a vida não tem brilho.

Sem metas, os sonhos não tem alicerces.

Sem prioridades, os sonhos não se tornam reais. Sonhe, trace metas, estabeleça prioridades e corra riscos para executar seus sonhos.

Melhor é errar por tentar do que errar por omitir!  Augusto Cury

Kelly Coimbra

Kelly Coimbra é advogada, empresária, consultora e transformational coach.

Possui 19 anos de experiência na área jurídica, tendo exercido cargos de liderança no 1o, 2o e 3o setor, com destaque para atuação como advogada e consultora jurídica de vários organismos internacionais e órgãos de relevância do Governo Federal.

Durante 5 anos teve seu próprio escritório de advocacia, no último como sócia proprietária do Coimbra e Maciel Sociedade de Advogados trabalhou nas diversas áreas do direito, notadamente em Direito Civil, Processual Civil, Administrativo e Constitucional tanto em âmbito administrativo (assessoria) quanto judicial, primeira instância e Tribunais, com atuação ativa em audiências e suporte consultivo aos clientes.

Foi servidora do Poder Judiciário de Goiás e, posteriormente trabalhou 10 anos como consultora jurídica especializada na Organização das Nações Unidas, mais especificamente na UNESCO, no Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e também foi consultora jurídica da Organização de Estados Iberoamericanos – OEI, em projetos voltados à área de educação.

Possui 12 anos de experiência no Governo Federal, desempenhados no Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) quando atuou como assessora da procuradora-chefe na análise de processos judiciais e administrativos, com elaboração de normativos regulamentares internos, no âmbito da Administração Pública.

Na diretoria financeira do FNDE atuou como líder e gestora de uma equipe de mais de 50 pessoas, assumindo sob sua responsabilidade mais de 30 mil processos para análise de prestação de contas de convênios, possuindo experiência com gestão pública, gestão administrativa e pessoal, supervisão de equipe, multiplicadora e facilitadora de discussões. Dentro da mesma diretoria financeira esteve na liderança de uma equipe de mais de 20 advogados responsáveis pela análise e fornecimento de subsídios em ações judiciais envolvendo o Fundo de Financiamento Estudantil (FIES).

Transformational Coach, Master em PNL, Hipnoterapeuta possui 4 e-books lançados: Como estabelecer metas e objetivos neurologicamente corretos – O Guia Definitivo; Descubra o segredo por trás da inteligência emociona; 7 passos para terminar o ano do jeito que você gostaria e Cansada de não atingir seus objetivos? Conheça os 10 princípios das metas poderosas e leve sua vida para outro nível.

Já realizou treinamentos e programas de desenvolvimento pessoal para mais de 200 mulheres, impactando não somente advogadas, mas empresárias, servidoras públicas e profissionais liberais, tendo palestrado na OAB-DF, Secretaria Municipal de Educação de Cristalina-GO, Casa Flor, FNDE,
Paralelamente, desenvolve o projeto social de empoderamento feminino: Projeto FloreSER.

Mestranda em Direito Empresarial com ênfase em Mediação, Negociação e Resolução de Conflitos, especialista em Direito Público, especialista em Direito Civil e Direito Processual Civil, auxilia mulheres advogadas a desenvolver alta performance e realizar objetivos, resgatando seu poder pessoal por meio do desenvolvimento da inteligência emocional.

Membro da Comissão da Mulher Advogada e da Comissão de Mediação da OAB/DF.

Deixe seu comentário.

Comentar

Comments are closed.