Dentro dessa perspectiva de resgatar o nosso poder pessoal por meio da reconexão com a essência e o poder feminino, eu fiquei pensando em qual seria o maior e o melhor presente que uma mulher pode dar a si mesma. Já refletiu sobre isso? Será que precisa de uma consulta ao “Dr. Google”?

 

Para chegar a uma conclusão eu fiz uma retrospectiva da minha trajetória pessoal, resgatando todos os desafios que eu conquistei, as superações, todos os aprendizados que assimilei, os processos internos e intensos que me levaram à expansão da consciência e também ao resgate do meu poder feminino, olhando para tudo isso e todos os resultados e as consequências que eu tive na minha vida, eu cheguei à conclusão que não existe nada tão empoderador, tão transformador e  tão enriquecedor quanto nos presentearmos com o autodesenvolvimento.

 

Você pode estar pensando que o autodesenvolvimento não é um presente, senão um meio para evoluir, alcançar e realizar  nossos sonhos ou viver uma vida melhor. Porém, eu te convido a refletir comigo: se o autodesenvolvimento te faz realizar tudo isso aí e ainda te traz a perspectiva do amor próprio, de respeitar a si mesma, de resgatar seu poder pessoal e de, se amando e se transformando, entregar o seu melhor ao  Universo e receber dele a contrapartida pelo trabalho duro que você faz ao buscar seu próprio desenvolvimento pessoal, será mesmo que existe algum outro melhor presente, algo que poderia ser equivalente a tudo isso? 

 

Fica aqui comigo que eu vou falar um pouco mais sobre esse presente único e especial que só você pode dar a si mesma.

 

O que é autodesenvolvimento? 

 

O autodesenvolvimento nada mais é que o desenvolvimento pessoal relacionado ao aumento das capacidades pessoais ou das possibilidades. Nesse contexto vale entender que o desenvolvimento necessariamente implica em expansão, implica em romper padrões pré-estabelecidos para adoção de novos mais fortalecedores, empoderadores e que nos impulsionem a desenvolver nossa melhor versão.

 

Trata-se de uma ferramenta muito poderosa para promover o potencial das pessoas, para ampliar suas possibilidades e oportunidades que também permite à  pessoa que nele investe desfrutar da liberdade de ser quem nasceu para ser e viver a vida que idealizou para si, a vida que ela valoriza e faz sentido para ela.

 

Atualmente, o autodesenvolvimento é tido como uma competência muito valorizada no mundo inteiro, não só pelas pessoas individualmente, como também  pelas organizações públicas ou privadas. . 

 

O desenvolvimento do potencial pessoal não acontece só no campo profissional, também e principalmente no âmbito pessoal.  O ser humano é por natureza sistêmico, ou em outras palavras, holístico. A vida de cada ser humano é composta de várias áreas diferentes, porém interligadas entre si, tanto no quesito individual quanto coletivo. 

 

Demais disso, também não podemos esquecer que todos nos assentamos em 4 pilares básicos, as dimensões física, emocional, mental e espiritual.

 

A partir dessa compreensão, podemos  entender que qualquer pessoa investindo em autodesenvolvimento em qualquer área da vida terá, como consequência, a repercussão em qualquer uma dessas dimensões e também em todas as áreas da vida, não só naquela inicialmente escolhida para trabalhar. 

 

Assim, se você espera algum tipo de realização pessoal ou profissional e ainda não alcançou, é importante investir em autodesenvolvimento. Afinal, o que você sabe e quem você é te trouxeram até aqui, mas a pessoa que você precisa se tornar para viver a vida extraordinária que você busca necessita de novos e melhores hábitos, de novas habilidades, um mindset fortalecedor, um estado emocional poderoso e comportamentos compatíveis com a sua melhor versão. 

 

O sucesso, êxito ou triunfo em uma dessas dimensões afeta de forma geral a nossa vida. Não tem como separar realização pessoal da realização profissional e não há como alcançar a realização, seja em que âmbito for, sem o necessário autodesenvolvimento

 

O que está por trás do autodesenvolvimento nada mais é do que um processo de autoaprendizagem. É por meio desse processo de autoaprendizagem que uma pessoa aprende a se questionar, aprende sobre novos e importantes hábitos e habilidades, aprende sobre o que é essencial desenvolver sua vida e a si mesma a partir de novas possibilidades e oportunidades que lhe farão experienciar a vida de valor que almeja.

 

Autodesenvolvimento exige alinhamento 

 

Não se engane, o autodesenvolvimento não será efetivo se não estiver alinhado com sua missão, visão, valores e princípios. É claro que em muitas situações o próprio autodesenvolvimento nos dá a condição de identificar esses pilares, porém, ao identificar essa estrutura é necessário que os objetivos buscados com o autodesenvolvimento, sejam no campo profissional ou no campo pessoal estejam alinhados.

 

O que acontece é que muitas pessoas, mesmo tendo experimentado a descoberta da sua missão, propósitos, visão, valores e princípios, simplesmente opta por fazer um caminho diferente por, em tese, serem mais fáceis, ou se ajustarem melhor às demandas e pressão externas que a pessoa sofre, ou por representarem um ideal de sucesso reafirmado pela sociedade.

 

Nesse momento, em que a estrutura não está alinhada com o autodesenvolvimento, em que o caminho escolhido está longe do que conecta à pessoa ao significado da sua existência podem surgir os conflitos internos que geram profundo desgaste físico, mental e emocional, os resultados buscados simplesmente não acontecem, entram em cena a procrastinação e autossabotagem e a caminhada perde o sentido, a vida se torna vazia e sem significado. 

 

E isso tudo acontece porque é a missão de vida, somada aos princípios e valores, à visão e aos propósitos criados que direcionam nossas decisões e escolhas, influenciam nossas ações e comportamentos, que moldam nosso destino e repercutem diretamente na nossa busca pela realização pessoal. 

 

Qual o melhor caminho para o autodesenvolvimento?

 

Traçando um paralelo com a Inteligência Emocional, umas das maiores ferramentas de autodesenvolvimento do mundo moderno, é possível compreender que o autoconhecimento é o melhor caminho para o autodesenvolvimento. 

 

Isso significa que a própria pessoa, utilizando-se de autoinvestigação e autoobservação aliados a conhecimentos, técnicas, ferramentas e estratégias é que vai encontrar/criar o espaço para o desenvolvimento das habilidades, novos hábitos e a melhoria contínua necessária aos objetivos do autodesenvolvimento. 

 

Aqui vale a pena reforçar que de nada serve obrigar uma pessoa a passar por qualquer processo de autodesenvolvimento porque, muito provavelmente, não irá surtir efeito algum. O poder está no livre arbítrio, na capacidade de escolha de cada ser humano, em especial, porque não é tão simples olhar para dentro, abrir nossas caixas pretas e encarar nossas sombras.

 

No processo de autoconhecimento podemos fazer um mapeamento completo (e um mapeamento interno) de quem somos, nossos paradigmas, nossas forças e fraquezas, virtudes e defeitos, nossos pensamentos e estado emocional dominantes. A partir disso podemos ter consciência do que nos governa. 

 

Novamente trazendo a Inteligência Emocional nos deparamos com a autoconsciência que é o alicerce de todo o restante dos 4 pilares da inteligência emocional – autogestão emocional, gestão dos relacionamentos e consciência organizacional).

 

A autoconsciência, que nada mais é do que um nível aprofundado de autoconhecimento, nos dá a condição de ter conhecimento profundo das próprias emoções, bem como das nossas próprias forças e limitações,  dos valores e motivos que nos movem.  

 

Pessoas autoconscientes possuem uma tendência à autorreflexão e a considerações, o que lhes permite pensar antes de agir, em vez de reagir por impulso. Não são excessivamente autocríticas e nem ingenuamente confiantes. 

 

Sobretudo, são pessoas que compreendem os próprios valores, objetivos e sonhos, sabem para onde vão e porquê. Nesse contexto, podem recusar um emprego que seja financeiramente tentador porque não corresponde aos seus valore e objetivos de longo prazo.

 

Como parte da autoconsciência temos a presente tríade: 

 

  • Autoconhecimento: interpretar as próprias emoções e reconhecer o impacto delas. Acessar a intuição, que  ocorre naturalmente em pessoas autoconscientes.
  • Autoavaliação correta: conhecer pontos fortes e limites pessoais.
  • Autoconfiança: uma ideia bem fundamentada do próprio valor e das capacidades pessoais.

 

Nessa perspectiva, o autoconhecimento surge então como um instrumento poderoso de investigação de si mesma, nos dá a capacidade de olhar para dentro de nós mesmas e identificar os pontos de melhoria e as nossas forças, tudo, porém, sem qualquer julgamento, sim com a compreensão de que o processo de evolução pessoal e profissional exige coragem e autenticidade, porém te coloca não só no lugar de viver a vida extraordinária que você deseja viver, como também de ser a melhor mestre de si mesma que você poderia ter. 

 

O autoconhecimento como escolha de cada indivíduo é e sempre será o melhor caminho para o autodesenvolvimento. 

 

Áreas impactadas pelo  autoconhecimento

 

Depois de compreender um pouco melhor o processo de autoconhecimento dá pra ter uma ideia do seu alcance em todas as áreas da vida e é incrível como a dedicação a esse processo pode resultar em descobertas fantásticas, clareza e direcionamento que farão diferença para qualquer coisa que se pretenda fazer, obter ou vivenciar. 

 

Nos processos de coaching, trabalhamos com uma ferramenta chamada roda da vida que distribui a vida em 04 (quatro) quadrantes principais que são as áreas pessoal, profissional, qualidade de vida e relacionamentos, os quais, por sua vez se desdobram em três fundamentos essenciais cada um, totalizando então doze áreas da vida às quais dedicamos nosso tempo e energia, de maneira consciente ou não.

 

No campo pessoal temos:  i) desenvolvimento intelectual, ii) equilíbrio emocional e iii) saúde e disposição. 

No campo profissional temos: i) recursos financeiros; ii) contribuição social (servir) e iii) realização e propósito,

No campo qualidade de vida temos: i) espiritualidade; ii) lazer/hobbies e iii) felicidade.

No campo relacionamentos temos: i) vida social; ii) relacionamento afetivo (amoroso) e iii) família.

 

Essa ferramenta nos mostra com clareza quais são as áreas da vida onde o autoconhecimento pode ser aplicado. Relembrando que somos seres sistêmicos, é possível começar o processo de autodesenvolvimento no campo profissional e as investigações internas e auto-observação simplesmente nos trazerem insights e transformação de paradigmas e comportamento que vão se refletir em todas as demais áreas da nossa vida. 

 

É o poder do autoconhecimento em ação. Nada em nossas vidas permanece imune ou a salvo de um processo de autoconhecimento com o verdadeiro compromisso de melhoria contínua e transformação dos pontos identificados como importantes. 

 

No meu próprio processo de autoconhecimento eu descobri não só meus dons e talentos, habilidades que eu sequer reconhecia que possuía, descobri pontos fracos e descobri, especialmente, minha missão de vida e a possibilidade de criar novos propósitos a depender do momento em que eu estava vivendo e do que faz sentido para minha existência. 

 

Mas, eu fui ainda mais longe! Ao ter a coragem e, de certo modo, a ousadia de abrir minhas caixas pretas eu pude descobrir que tinha uma profunda dificuldade de conexão com as pessoas, algo que me trazia dor e sofrimento embora eu não fizesse ideia disso e pude identificar também a origem disso: o medo de ser ferida pelas pessoas. Um medo que tinha origem em dois abusos sexuais vividos na minha infância, praticado por pessoas conhecidas, e que que me fizeram criar toda uma operação de fachada de mulher forte, independente e inacessível que era a maneira mais fácil para me proteger de pessoas que diziam se importar comigo e que poderiam me ferir física e emocionalmente a qualquer momento.

 

É claro que descobrir tudo isso teve uma profunda repercussão em todas as áreas da minha vida, inclusive no campo profissional, mas trouxe principalmente uma mudança radical no meu posicionamento como indivíduo e como mulher no mundo, impactou diretamente em como eu vivia e desenvolvia a minha própria missão de vida que é ajudar mulheres a resgatar seu poder pessoal a partir da reconexão com sua essência e poder feminino.

 

 

Os benefícios do autodesenvolvimento

 

Talvez esse meu exemplo te auxilie a perceber como o autodesenvolvimento pode ser, de fato, o melhor presente que você pode dar a si mesma.  Porém, vou trazer mais dois exemplos de ultra benefícios que você pode obter ao investir no seu próprio desenvolvimento. 

 

  1. Expansão de consciência

 

Nós não podemos viver a vida que pretendemos sem implementar mudanças, sem substituir os hábitos nocivos por hábitos fortalecedores, sem desenvolver novas habilidades. O conhecimento que temos nos trouxe até aqui, se quisermos avançar em qualquer área da vida precisamos adquirir novos conhecimentos e comportamentos, além disso,  nós precisamos nos transformar na pessoa que pode viver aquela vida que buscamos. 

 

Uma frase muito famosa na internet e  atribuída a Albert Einstein explica bem esse fundamento: “Uma mente que se abre a uma nova ideia jamais retornará ao seu estado original.””

 

Invista na expansão da sua consciência e na assimilação de novos conhecimentos, além de todos os benefícios que você pode obter, essa ainda segue sendo a única coisa que ninguém pode tomar de você!

 

  1. Autoavaliação eficaz

 

Que todos nós temos fraquezas e virtudes, pontos fortes e defeitos isso já sabemos.  O que nem sempre fica claro é quais são eles e, principalmente, quais são os que nos auxiliam a caminhar em direção aos nossos sonhos, os que estão nos impedindo de avançar ou mesmo os que precisaríamos desenvolver para realizar nossos sonhos e objetivos. 

 

Sem o autoconhecimento realmente fica desafiador usarmos nossos pontos fortes a nossa favor e agir para superar/transformar os que não nos favorecem. Por outro lado, uma autoavaliação eficaz funciona com uma precisão cirúrgica: você pode ir direto ao ponto e cuidar do que precisa ser cuidado assim que você toma consciência dele. 

 

A autoavaliação eficaz nos permite saber exatamente o que precisamos fazer para avançar ao próximo nível de maneira consciente e deliberada. 

 

Por onde começar? 

 

Somos seres únicos e, portanto, a maneira como cada um de nós vivencia o autodesenvolvimento é muito particular. Às vezes o que funciona para uma pessoa não funciona para outra e isso não quer dizer que a forma de se autodesenvolver de uma pessoa  seja melhor que a de outra, simplesmente cada um tem próprio jeito de funcionar melhor. 

Descobria a melhor ferramenta de autodesenvolvimento é um exercício de experimentar. Experimentar o que serve para você ou não, onde você se sente à vontade para ir mais fundo na sua autoinvestigação, o que te dá mais segurança para abrir as caixas pretas e, claro, onde e com o quê você percebe a sua evolução por meio das transformações e avanços da sua própria vida. 

 

Porém, eu vou listar aqui alguns caminhos já consolidados para que você conhecer e quem sabe, escolher a partir de qual deles vai trilhar seu caminho de autodesenvolvimento, lembrando que podemos usar mais de uma ao mesmo tempo, não usar nenhuma ou mesmo ir substituindo as formas de autodesenvolvimento com o passar do tempo.

 

Algumas pessoas vivem o autoconhecimento antes de pensar em autodesenvolvimento e o fazem em virtude de uma caminhada espiritual. O objetivo principal é a sua própria evolução espiritual,  assim, há pessoas que se utilizam da meditação, do yoga, de vivências/retiros espirituais e até de isolamento voluntário como no caso dos monges budistas, por exemplo.

 

As terapias também são um instrumento validado de autoconhecimento/autodesenvolvimento e nesse aspecto vale pesquisar as várias formas de se utilizar dessa ferramenta. Há terapias convencionais como a psicanálise, a psicoterapia com psicólogo(a), as terapias breves como a hipnose e a programação neurolinguística, as terapias comportamentais como a terapia cognitivo-comportamental, as terapias holísticas com o thetahealing, dentre várias outras de um universo de técnicas e fundamentos disponíveis atualmente. 

 

Os processos de coaching também são instrumentos poderosos de autodesenvolvimento, uma alternativa incrível para quem quer trabalhar de maneira focada determinadas áreas num determinado momento. 

 

E, por fim, você pode trilhar o seu caminho de autoconhecimento de maneira solitária. É possível se utilizar de livros, filmes, ferramentas individuais de autoinvestigação como roda da vida, perguntas poderosas que geram reflexão e ações e até mesmo investir no desenvolvimento das habilidades da inteligência emocional. Tudo isso lhe dá a condição de fazer seu próprio caminho de autodesenvolvimento, ou seja, opções não lhe faltam. 

 

Importante notar,  seja qual for a ferramenta, a forma ou o método escolhido por você, que uma não exclui a outra, mas que todas e qualquer uma vão exigir de você compromisso consigo mesma, coragem, dedicação e um porquê invencível para que os desafios te tirem do foco e não te desviem do caminho, te afastando do melhor que você poderia dar a si mesma. 

 

Lembre-se que as respostas que buscamos não estão fora, estão sempre dentro,  em nosso interior. Não adianta buscar em coisas externas a solução, o alívio e a resposta para coisas que você só pode encontrar com a autoinvestigação. 

 

Você é a melhor mestra de si mesma, sempre e em qualquer circunstância.  Seja quem você nasceu para ser e viva a vida extraordinária que você merece viver!

 

Gostou do artigo?! Então deixe seu like e um comentário para eu saber que estou no caminho certo. 

 

Até o próximo post!

 

Com carinho, 

Kelly Coimbra

 

Deixe seu comentário.

Comentar

Comments are closed.