Na semana do Dia Internacional da Mulher eu parei para refletir um pouco sobre isso, sobre o significado dessa comemoração, sobre o significado de ser mulher. O resultado dessa reflexão eu trago abaixo e ao final, um presentinho para você que tem orgulho de ser mulher!

Historicamente, o “dia da mulher” ocorreu em vários países em datas diferentes a partir do início do século XIX, quando eram realizadas conferências, debates, reuniões e encontros de mulheres, sempre ligados à luta e reivindicações por melhores condições de trabalho e direitos sociais e políticos.

O Dia Internacional da Mulher, entretanto, foi oficialmente adotado pela UNESCO em 1977, após a ONU instituir a Década da Mulher (1975-1985).

Não resta dúvida que durante um bom tempo o sentido de celebração do Dia Internacional da Mulher se perdeu, restou estereotipadao, um misto entre comemoração do Dia das Mães e Dia dos Namorados, em que as flores, presentinhos e mimos recebidos do chefe ou companheiro eram a tônica da comeração. Em tese não há problema em receber esses mimos, porém, o momento deve ser oportuno para tanto e, o Dia Internacional da Mulher, definitivamente, não é um dia exclusivo para isso.

Quando eu olho para trás e vejo tudo o que nós mulheres fomos capazes de fazer e conquistar desde que começamos a nos unir em prol disso, após anos sendo subjugadas em nossa inteligência e capacidade, anos de desrespeito e vozes silenciadas, eu sinto, sim, um orgulho imenso de ser mulher!

Se hoje, uma boa parte das mulheres ao redor do mundo pode exercer seus direitos sociais e políticos, pode estudar e se dedicar pessoal e profissionalmente àquilo que acredita, é por que antes de nós existiram outras que levantaram essa bandeira e lutaram por todas!

Orgulho de ser Mulher e Advogada!

Sinto um orgulho danado, também, de ser advogada! As mulheres advogadas, não sendo mais nem menos que outras mulheres, representam um papel importantíssimo nessas conquistas.  Conhecedoras das leis e da desigualdade prática do direito, boa parte dessas profissionais estão a todo tempo na comissão de frente pelas reivindicações em prol das mulheres. Não por acaso, todos os direitos sociais, trabalhistas em especial, e direitos políticos  foram conquistas dos movimentos organizados e encampados quase que exclusivamente por mulheres e as advogadas são verdadeiros agentes dessas mudanças,  de (re)construção desse espaço onde a mulher seja reconhecida e respeitada inclusive por suas diferenças.

Todavia, “as desigualdades de gênero permanecem profundamente arraigadas nas sociedades. Muitas mulheres não têm acesso a um trabalho decente e ainda têm que enfrentar as disparidades salariais ocupacionais de segregação e de gênero. Muitas vezes lhes são negados o acesso à educação básica e saúde. Mulheres em todas as partes do mundo sofrem violência e discriminação. Eles estão sub-representadas nos processos decisórios na política e na economia[1].

Felizmente, vivemos um momento singular:

  1. em setembro de 2014 a ONU Mulheres lançou o Movimento Eles por Elas[2] (HeForShe), num esforço global para envolver homens e meninos como parceiros na modelagem de uma nova sociedade, com a visão comum de igualdade de gênero que beneficiará toda a humanidade,
  2. em outubro de 2016, como parte da Agenda 2030 da ONU[3] e seus 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) para Transformar o Mundo, foi lançada dada visibilidade ao 5º objetivo (ODS): alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas, com a nomeação da super heroína Mulher Maravilha como embaixadora Honorária para o Empoderamento das Mulheres e Meninas pelas Nações Unidas[4];
  3. em novembro de 2016 foi realizado o maior evento de gênero no país – a II Conferência Nacional da Mulher Advogada[5] -, reunião mais de 2500 advogadas, para discussão de temas como a igualdade de gênero e empoderamento da mulher, dando origem à Carta de Belo Horizonte;
  4. em janeiro de 2017, mulheres do mundo inteiro marcharam pelo movimento “women’s march”, reinvidicando o direito pela igualdade de gênero: “os direitos das mulheres são direitos humanos”.

Estamos (vi)vendo Mulheres ao redor do mundo inteiro se reunirem na luta pela igualdade de gênero e pelos direitos das mulheres. É para viver de orgulho ou não é?

Tem um presentinho para você

Pensando nisso, eu preparei com carinho uma singela homenagem a cada mulher, a cada advogada que segue seu caminho levantando a bandeira da igualdade e do respeito à mulher. São três capas de fanpage (como a que está no meu perfil) e que trazem frases diferentes e significativas em relação à importância da união e do empoderamento das mulheres na construção de um novo modelo de sociedade que preze pela igualdade entre homens e mulheres  e que será, por certo, mais benéfico a toda a humanidade.

Para acessar os três modelos de capa para facebook, basta deixar seu nome e email na caixinha abaixo e escolher o modelo que preferir (ou usar todas, uma por semana)!

Se você gostou do texto e também tem orgulho de ser mulher, compartilhe! 🙂

Kelly Coimbra

Kelly Coimbra é advogada, empresária, consultora e transformational coach.

Possui 19 anos de experiência na área jurídica, tendo exercido cargos de liderança no 1o, 2o e 3o setor, com destaque para atuação como advogada e consultora jurídica de vários organismos internacionais e órgãos de relevância do Governo Federal.

Durante 5 anos teve seu próprio escritório de advocacia, no último como sócia proprietária do Coimbra e Maciel Sociedade de Advogados trabalhou nas diversas áreas do direito, notadamente em Direito Civil, Processual Civil, Administrativo e Constitucional tanto em âmbito administrativo (assessoria) quanto judicial, primeira instância e Tribunais, com atuação ativa em audiências e suporte consultivo aos clientes.

Foi servidora do Poder Judiciário de Goiás e, posteriormente trabalhou 10 anos como consultora jurídica especializada na Organização das Nações Unidas, mais especificamente na UNESCO, no Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e também foi consultora jurídica da Organização de Estados Iberoamericanos – OEI, em projetos voltados à área de educação.

Possui 12 anos de experiência no Governo Federal, desempenhados no Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) quando atuou como assessora da procuradora-chefe na análise de processos judiciais e administrativos, com elaboração de normativos regulamentares internos, no âmbito da Administração Pública.

Na diretoria financeira do FNDE atuou como líder e gestora de uma equipe de mais de 50 pessoas, assumindo sob sua responsabilidade mais de 30 mil processos para análise de prestação de contas de convênios, possuindo experiência com gestão pública, gestão administrativa e pessoal, supervisão de equipe, multiplicadora e facilitadora de discussões. Dentro da mesma diretoria financeira esteve na liderança de uma equipe de mais de 20 advogados responsáveis pela análise e fornecimento de subsídios em ações judiciais envolvendo o Fundo de Financiamento Estudantil (FIES).

Transformational Coach, Master em PNL, Hipnoterapeuta possui 4 e-books lançados: Como estabelecer metas e objetivos neurologicamente corretos – O Guia Definitivo; Descubra o segredo por trás da inteligência emociona; 7 passos para terminar o ano do jeito que você gostaria e Cansada de não atingir seus objetivos? Conheça os 10 princípios das metas poderosas e leve sua vida para outro nível.

Já realizou treinamentos e programas de desenvolvimento pessoal para mais de 200 mulheres, impactando não somente advogadas, mas empresárias, servidoras públicas e profissionais liberais, tendo palestrado na OAB-DF, Secretaria Municipal de Educação de Cristalina-GO, Casa Flor, FNDE,
Paralelamente, desenvolve o projeto social de empoderamento feminino: Projeto FloreSER.

Mestranda em Direito Empresarial com ênfase em Mediação, Negociação e Resolução de Conflitos, especialista em Direito Público, especialista em Direito Civil e Direito Processual Civil, auxilia mulheres advogadas a desenvolver alta performance e realizar objetivos, resgatando seu poder pessoal por meio do desenvolvimento da inteligência emocional.

Membro da Comissão da Mulher Advogada e da Comissão de Mediação da OAB/DF.

Deixe seu comentário.

Comentar

Comments are closed.