Dias atrás eu fiz uma live no meu canal do Instagram com o título: “quero ser produtiva, mas não quero ser escrava dos horários”. Foi muito interessante observar os comentários a respeito do tema, boa parte deles mostravam que essa é, de fato, uma aspiração (um sonho) de um bom número de mulheres advogadas. 

Isso aguçou ainda mais a minha curiosidade, claro! Eu sou uma estudiosa do assunto e estou sempre buscando conhecimento, ferramentas ou técnicas para aplicar não só na minha própria vida e no meu dia-a-dia, como também para criar conteúdo de valor e auxiliar às milhares de mulheres advogadas que me acompanham a se tornarem produtivas com qualidade de vida, com resultados no campo profissional e tempo para cuidar das áreas da vida que são importantes para elas enquanto fazem a carreira crescer.

 

Ao refletir sobre o dilema vivenciado por essas mulheres, eu pude constatar algumas coisas interessantes que gostaria de compartilhar com você nesse artigo e desde já, te convido a continuar a leitura desse artigo a partir desse prisma:  Não é a quantidade de horas trabalhadas que vai te fazer ter sucesso/performance e sim a qualidade do que você faz nas horas que trabalha.

 

Falar em qualidade das horas trabalhadas, em nada, absolutamente nada, tem a ver com ser escrava dos horários. Essa qualidade tem muito mais a ver com aquilo que recebe nossa atenção imediata, com o que definimos como prioridade e com os resultados que obtemos a partir disso. 

Então, espera! Se isso não tem a ver com ser escrava dos horários, de onde vem esse desejo de querer ser produtiva, mas não querer ser “escrava” dos horários?

 

O medo de quem não quer ser escrava dos horários

 

Chico Buarque de Holanda já cantava esse medo:  “Todo dia ela faz tudo sempre igual”… Sim, as mulheres advogadas tem medo! Medo de ser “escravas” dos horários porque tem medo de ter/viver uma rotina. O que a maioria de nós não descobriu ainda é que a rotina não é uma coisa ruim, aliás, me arrisco dizer que a maioria sequer sabe o verdadeiro significado da palavra rotina. 

 

Rotina, em poucas palavras, pode ser entendida como algo feito sempre do mesmo modo, com as mesmas características de todas as outras vezes. 

 

Mas às vezes, ela também pode ter o cunho de acomodação: a partir do momento em que fazer algo já se torna confortável não pela entrega, mas sim pelo sentimento que isso traz. 

 

E é essa leitura equivocada sobre o que é rotina que nos faz temer os horários, o comodismo, o tudo sempre igual.

 

Por outro lado, a quantidade de horas trabalhadas pela mulher advogada, sem um planejamento inteligente do seu dia, supera e muito o que seria uma jornada diária de trabalho regular. No universo da mulher advogada, até mesmo as 10, 12 horas  diárias de trabalho parecem ser insuficientes para solucionar tudo que tem que fazer. Mas será que fazer horas extras e levar projetos para casa constantemente te torna uma profissional  produtiva? 

 

E é aí, na  leitura equivocada do que é rotina, que a mulher advogada passa a enfrentar problemas decorrentes de não fazer uso desse poderoso instrumento a seu favor:  A falta de rotina gera problemas como 

 

1.Indisciplina

2.Queda da performance e da produtividade

3.Atraso na geração dos resultados

4.Estresse

5.Cansaço físico e mental

6.Baixo nível de energia

7.Corpo que não se adapta ao confuso dia-a-dia da mulher advogada, sem horários pré-estabelecidos para atendimento das necessidades básicas, o metabolismo vive na gangorra (e não é por acaso que boa parte reclama, inclusive, do aumento de peso).

8.Não saber exatamente o que precisa fazer e quanto tempo irá levar para realizar a tarefa.

9.Comunicação ineficiente. Se nem mesmo a mulher advogada tem clareza sobre o que, como e quando precisa ser feito o que já sabe que tem fazer, imagine comunicar essa confusão à equipe que gerenciar, aos clientes, colegas de trabalho, família, amigos, parceiro…             

 

Desnecessário explicar o que cada um dos problemas apontados acima significa. Se você é como a maioria das mulheres,  eu tenho absoluta certeza que você conhece e até mesmo vivencia boa parte deles.                                                                                

Por outro lado, resta claro aqui que o mínimo planejamento inteligente do seu cotidiano pode, de fato, eliminar boa parte,  senão todos os problemas citados.

E aqui cabem três pontos de destaque:

1.Você terá que realizar coisas que não gosta para otimizar seu tempo. A vida é assim, você sempre terá que fazer coisas que não gosta em favor de um resultado almejadoE não tem de certo ou errado nisso, é o que é. Não tem a ver com você, não reduz ou aumenta seu valor,  é totalmente sem significado: simplesmente é algo que todos os seres humanos têm que vivenciar, gostem ou não.

 

2.Você já é escrava da sua rotina diária, ainda que ela não se pareça com uma rotina e ainda que soe desorganizada. É exatamente essa a sua forma de funcionar sempre do mesmo jeito, de maneira mecânica e desorganizada. A ausência de planejamento diário e a desorganização são a sua rotina, admitir que você tem uma rotina disfuncional é o primeiro passo para começar a caminhar rumo à produtividade.

 

 

3.Planejamento é a base da produtividade. Planejar é como montar um quebra-cabeças. Você tem a imagem clara do que pretende construir, do resultado que quer alcançar e o planejamento surge como um passo-a-passo para o quebra-cabeça, para mostrar onde e quando colocar cada peça. 

 

 

 

 

Planejar é uma habilidade essencial para aumentar sua produtividade, não só no campo profissional, como em todas as áreas da vida.

O que é importante entender sobre a rotina?

Rotinas são processos que você cria para facilitar a sua vida pessoal e profissional, temos rotinas automáticas, como por exemplo, os hábitos de escovar os dentes, tomar banho, dirigir para o trabalho. Porém, o mais importante aqui é entender que você pode criar a sua própria rotina de modo que ela não seja entediante, chata, acomodada. 

 

Ao criar a sua própria rotina você pode, sim, deixar de ser escrava dos horários, mas não de todos eles. Você pode deixar de ser escrava dos horários que estão sob a sua gestão. 

E aí, você pode começar estabelecendo como e quando você vai desempenhar cada tarefa do seu dia. 

 

Por exemplo, determinar um horário mais agradável para ler aquele processo complicado ou procurar um local mais tranquilo para analisar os dados de um determinado relatório ou pesquisa que vai te ajudar a fazer uma peça processual ou mesmo determinar os próximos passos no planejamento do escritório.

E aqui, quando você determina a sua própria rotina, você está começando a sua caminhada rumo à produtividade quântica

É possível entender a produtividade quântica como a  capacidade de elevar o nível de produtividade promovendo um equilíbrio entre a utilização do dois hemisférios cerebrais, o  racional e o emocional, escolhendo criar momentos de relaxamento/esvaziamento da mente racional para acessar todo o potencial criativo e realizador da mente emocional.  

É quando a consciência expande, num processo de esvaziamento da mente, de cessar os pensamentos acelerados que atormentam boa parte dos profissionais da advocacia é  que conseguimos encontrar a resposta para aquele problema que está sugando a energia há meses, que identificamos alternativas e soluções para coisas jamais imaginadas antes, que ampliamos o potencial argumentativo-persuasivo, que  criamos estratégias e novas ideias. 

Já dizia Albert Einstein:

“Penso noventa e nove vezes e nada descubro; deixo de pensar, mergulho em profundo silêncio – e eis que a verdade se me revela.”

Numa rotina exaustiva de trabalho como a da advocacia,  atividades que façam bem para o corpo e para mente são essenciais no cotidiano de trabalho. É possível criar esses momentos numa pausa para um café em um lugar que você goste ou momento de meditação no meio da tarde.  Sair e caminhar ao ar livre também promove esse espaço de oxigenação que precisamos e nos dá a ideia de que somos nós quem decidimos como o dia se processa,  não somos aqui reféns dos horários e nem do tempo de outras pessoas.

Eu sei que parece impossível, mas é verdade, você pode criar uma rotina leve, divertida, produtiva e nem por isso ser escrava dos horários.  

E agora você deve estar se perguntando como criar essa rotina, certo? Então, eu trouxe nada menos que 10 dicas poderosas de como deixar de ser escrava dos horários  e sair do ciclo vicioso de ter uma rotina disfuncional que te faz ter resultados limitados. Lembrando que saber não faz diferença nenhuma, é colocar em prática, entrar em ação com essas dicas poderosas que você vencer a síndrome da rotina disfuncional.

 

10 dicas poderosas de como deixar de ser escrava dos horários  e sair do ciclo vicioso de ter uma rotina disfuncional 

 

 

1.Veja como está a sua rotina: identifique quais os problemas existentes e que estão afetando o seu tempo, onde você está perdendo tempo  e veja o que pode fazer para melhorar essa situação. Muitas vezes são coisas simples e que, quando analisadas e planejadas corretamente, podem fazer grande diferença na sua produtividade.

 

 

 

2. Identifique as atividades com horários marcados e que estão fora do seu domínio de negociação. Exemplo: levar e buscar o filho no colégio.

 

 

 

 

3.Saiba exatamente o que precisa fazer e quanto tempo irá levar para realizar a tarefa.

4.Defina suas prioridades e marque tempo (horários ou blocos de tempo para fazê-las).

 

 


5.Identifique o seu potencial produtivo. Não adianta inundar seu planejamento com um milhão de coisas se você não consegue fazer sequer  ⅓ delas, distribua suas atividades ao longo dos dias/semanas/meses. Você pode fazer isso marcando no cronômetro quanto tempo leva para concluir as atividades habituais. 

 

6.Diferencie compromissos de tarefas.  Os compromissos possuem data e hora marcados, um tempo determinado para início e fim, como as reuniões, audiências, aulas com horário fixo, consultas médicas.  Já as tarefas são as atividades, ações físicas, que são necessárias para concluir alguma coisa. Ex.: Ligar para o colega advogado para marcar a reunião sobre o processo em comum.

 

7.Descubra qual o seu “horário nobre”. Todos nós temos um horário que funcionamos melhor, com mais disposição, energia e criatividade. Como regra é o período da manhã, mas, pode ser diferente para você. Então fique atenta, descubra qual o seu horário nobre e faço bom uso disso.

 

 

 

8.A relação do tempo com a produtividade é super amigável desde que você consiga controlar o relógio a seu favor. Afinal você aproveita o seu tempo com qualidade ou é escravo dele? Cumpra seus horários tal qual determinado, esteja atenta ao relógio.

 

 

 

 

9.Organize seus horários para o dia seguinte, no dia anterior ou antes de dormir. 

 

 

 

10.Crie hábitos matinais produtivos. É uma forma muito poderosa de implementar no seu cotidiano hábitos que tem o poder de transformar a sua produtividade e, principalmente, a sua relação consigo mesma, trazendo autocuidado, autorespeito e desenvolvimento do poder pessoal e intelectual. São eles: silêncio intencional, afirmações, visualização, atividade física, leitura e escrita.

 

 

Eu espero que tenha ficado claro, de uma vez por todas, que você não precisa mais temer a rotina e que você pode fazer com que ela seja leve, divertida, inteligente e produtiva. 

 

E se esse conteúdo foi de valor para você, fez diferença na sua vida, então compartilhe com alguém que é importante para você. 

 

Você pode também deixar um comentário sobre o que se abriu para você, para o que ficou presente e isso vai me ajudar muito a melhorar os conteúdos e trazer temas que sejam úteis para esse nosso universo tão desafiador que é o da mulher advogada. Juntas somos mais fortes e vamos mais longe. 

 

Ah, você pode me acompanhar no Instagram e no Youtube, lá também tem mais dicas sobre produtividade, gestão pessoal, desenvolvimento de carreira e alta performance. Vou amar te ver por lá também!

 

Até o próximo artigo.

 

Com carinho 

 

Kelly Coimbra

 

Deixe seu comentário.

Comentar

Comments are closed.